Reforma está nas mãos do presidente

3.8/5119 votos
folder_openGeral

Reforma está nas mãos do presidente

A reforma administrativa foi entregue ao presidente para os últimos ajustes. No entanto, concursos continuarão travados até aprovação da reforma.

O texto da reforma administrativa foi entregue ao atual presidente para ser feita uma última analise e possíveis modificações. Este reafirmou que as novas regras não atingirão os servidores atuais e que o texto da reforma já se encontra em fase final.

“Estamos na iminência de mandar a reforma administrativa. Não vai atingir os já servidores. Não será mexido em nada no tocante a eles. A reforma está intimando, né? Sempre tem um pequeno acerto a mais para fazer […]”, ressaltou o presidente.

Este continuou dizendo: “Espero que esta semana nasça essa criança aí, que está demorando muito para nascer. Tá parecendo filhote de elefante, né? Dois anos de gestação de elefante”.

Leia também…

Reforma está madura para envio

Bolsonaro disse ainda que, conversaria nesta semana com Paulo Guedes “Outros assuntos serão tratados. Eu acho que a reforma administrativa está madura para ser apresentada. O que eu tenho falado para ele: a guerra da informação” reforçou.

“Espero que a gente mande a proposta disso aí, faltam algumas alterações ainda. Daí vira manchete: ‘Servidor perde estabilidade’. Jogar todos os servidores contra mim. Essa questão da estabilidade é daqui para frente, mas sabe como funciona a manchete dos jornais” afirmou.

Reforma administrativa VS. travamento de concursos

Nesta semana, foi divulgado que os concursos públicos seriam congelados, sendo liberados somente aqueles de extrema necessidade. Diante disto, o presidente também se pronunciou sobre o assunto.

“Não é travar (concurso público). É um peso muito grande o serviço público no Brasil. Vocês devem se lembrar da promulgação da Constituinte, a quantidade de trens da alegria, isso inchou os quadros. Se não fizer algo, atuais servidores vão ficar sem receber lá na frente. Então, não é travar. Concursos públicos, só os essenciais, essa que é a ideia”, reforçou.

Bolsonaro continuou dizendo: “Tem concursos que foram feitos no passado, que nós demos prosseguimento agora: Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal. Se tiver necessidade, a gente vai abrir concurso, mas não podemos ser irresponsáveis e abrirmos concursos que poderão ser desnecessários”.

Estratégia para aprovação da PEC

O processo de não abrir novos concursos faz parte de uma estratégia do governo, pois com o “estrangulamento” do serviço público os servidores acabarão cedendo à reforma.

De acordo com a estimativa do governo, os números de servidores que entrarão com o pedido de aposentadoria nos próximos anos irão aumentar em 21% até 2024. Com isto a quantidade de ativos diminuirá obtendo a necessidade de novos concursos, que só ocorreram com a aprovação da reforma.

Mas e você o que pensa sobre esta estratégia do governo para aprovar a reforma administrativa? Deixe seu comentário, pois queremos saber sua opinião.

Receba as notícias antes dos demais Assinantes!

Clique para ativar as notificações e receba antes de serem publicadas

Receba as notícias antes dos demais Assinantes!

Clique para ativar as notificações e receba antes de serem publicadas

Essa matéria foi relevante? Vote !

3.8/5119 votos

Publicações Relacionadas

Deixe seu Comentário

Faça como mais de 100.000 Assinantes

Click em mim e tenha Acesso às Plataformas Digitais com Produtos Exclusivos para Servidores Federais

Menu