O Blog do Sr.SIAPE tem + de meio MILHÃO de assinantes. Cadastre-se você também!

O que pode ocorrer com servidores após as privatizações?

30 set
O que pode ocorrer com servidores após as privatizações?

O que pode ocorrer com servidores após as privatizações?

4.3/549 votos

Com privatizações cerca de 120 mil servidores podem sofrer com mudanças.

Após o anuncio de que nove estatais irão ser privatizadas, cerca de 120 mil servidores estão aguardando mais detalhes para saber a dimensão do quanto podem ser afetados.

Apesar de esses servidores terem entrado através de concurso, o modelo de contrato destes são em formato CLT. Assim sendo, estes empregados não possuem estabilidade como os servidores públicos federal.

Desde outubro do ano anterior (2018), o STF determinou que empresas de domínio público devem justificar qualquer demissão que ocorra de servidores. Porém, isto não qualifica como uma estabilidade.

Os trabalhadores cujo contrato é regido pela CLT não têm estabilidade. O que acontece é que dificilmente esses funcionários são demitidos sem justo motivo, e as demissões não são habituais como na empresa privada e devem ser motivadas formalmente.

 

Leia também: Sr. Siape responde

 

Até o momento, se prevê que demissões podem ocorrer antes mesmo da finalização das vendas. E já no caso dos compradores, estes não têm obrigações de continuar com os servidores anteriores.

Demissões podem ocorrer para diminuir gastos ou mesmo reestruturar a empresa. Além disto, mudanças de áreas, transferências de alguns cargos e localidades podem ocorre.

Abaixo estão as estatais a serem privatizadas e o atual número de servidores:

  • Correios – 105 mil
  • Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) – cerca de 9,2 mil
  • Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev) – cerca de 3,6 mil
  • Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) – cerca de 1,3 mil
  • Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) – 600
  • Telecomunicações Brasileiras (Telebrás) – 503
  • Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec) – 192
  • Empresa Gestora de Ativos (Emgea) – 91
  • Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF) – 36
  • Total: 120,5 mil servidores

Como funciona o PDV ou demissões graduais?

Nas estatais, o processo de demissão começa através de PDV (Plano de demissão voluntaria), posteriormente de maneira gradual e por fim com terceirização.

Provavelmente, você nunca verá demissões em massa por parte do governo federal, já que isto é a ultima medida em caso de racionamento de gastos. Outro ponto importante é que a maioria dos serviços é fundamental e não podem parar.

Os benefícios já adquiridos pelos servidores não podem ser retirados mesmo com a entrada de uma nova empresa. No entanto, pode haver negociações em busca um senso comum.

Existem algumas estatais que realizaram um programa para aposentados, que contém alguns benefícios. Neste caso, com a entrada de uma nova empresa, quem for demitido pode entrar na justiça e pedir seus direitos.

 

 

Leia também: Recesso de fim de ano para Servidor é definido 

 

Redução de servidores nos últimos anos

Ano passado (2018) ocorreu o desligamento de aproximadamente 13.434 pessoas do quadro quando comparado com 2017, segundo do 9º Boletim.

Os principais desligamentos ocorreram na caixa econômica federal (2.728), correios (2.648) e no banco do Brasil (2.195).

Neste ano através do 10º Boletim, foi apresentada uma redução de 2444 servidores em relação ao mesmo período de 2018.

Os Correios foi o que mais perdeu servidores sendo (1.721) seguindo do banco do Brasil com um desfalque de (402) empregados.

Logo no primeiro trimestre de 2019, as estatais possuíam 492.460 servidores. No entanto, com a nova proposta de privatização este numero ainda pode mudar.

Dentre um total de 130 estatais, as que contêm mais empregados são: Correios 103.612, posteriormente Banco do Brasil (100.706), Caixa econômica federal (84.879) e Petrobras (47.217).

Contudo, para que as privatizações realmente aconteçam, o governo federal ainda depende de uma análise realizada pelo BNDES, no qual mostrará se existe a possibilidade no mercado de concretização de venda.

Outro ponto muito relevante é que por decisão do STF, não pode haver privatização sem autorização do congresso. Através da mesma pauta também foi decidido que o governo só esta autorizado a vender as subsidiárias dentre as estatais.

Receba as notícias antes dos demais Assinantes!

Clique para ativar as notificações e receba antes de serem publicadas

Essa matéria foi relevante? Vote !

4.3/549 votos




  • captcha

    Essa matéria foi relevante? Vote !

  • Chat ao vivo

    Essa matéria foi relevante? Vote !

  • Contratação Online

  • Sr.SIAPE apoia a luta contra o CÂNCER de MAMA.
  • O que pode ocorrer com servidores após as privatizações?

    tempo leitura: 4 min